(51)  3371.6200       99388.4440

(51)  3464.0076

Responsável Técnico:
Dr. Luciano Zuffo
CRM-RS:  26798 / RQE 23181

(51)  3371.6225       99167.0593

Estacionamento no local

(51)  3783.8065       99167.2901

(51)  3191.9607

BLOG

Urologia: Câncer de próstata em 2016 - Parte II

Definindo a Gravidade da Doença

 

Vários parâmetros podem ser utilizados para definir a gravidade dos casos de câncer da próstata. A extensão inicial da doença (tecnicamente definida como “estágio”), a agressividade das células que formam o tumor e as medidas do PSA no momento do diagnóstico, representam os principais parâmetros utilizados pelos especialistas para prever os horizontes desses casos e planejar o tratamento dos mesmos.

 

Com respeito ao estágio, o tumor é classificado como T1, T2, T3 e M+, quando está situado, respectivamente, na intimidade da próstata e não pode ser percebido ao toque (T1), quando é notado ao toque, mas não se estende para fora da glândula (T2), quando se expande e atinge os tecidos vizinhos à próstata (T3) e quando atinge outros órgãos, em geral os ossos (N+/M+). Como demonstra o gráfico adiante, as chances do paciente estar bem cinco anos após o diagnóstico relacionam-se fortemente com o estágio da doença.

 

A agressividade das células é medida por uma nota conferida ao tumor ao ser analisado o material colhido na biópsia. Nesse sentido, utiliza-se uma escala chamada de “Escore de Gleason”, que pode variar entre 5 e 10 e é obtido pela soma de dois números indicados pelo médico especialista ao descobrir, na biópsia, um tumor maligno na próstata.  Os casos com escore total de 5 e 6 são mais brandos, aqueles que recebem nota final 7 tem agressividade intermediária  e as lesões classificadas como 8 a 10 são mais desfavoráveis e devem ser tratadas de forma mais contundente.

 

Os níveis sanguíneos de PSA elevam-se progressivamente à medida que aumentam as dimensões do tumor. Pacientes com lesões mais brandas costumam evidenciar níveis de PSA inferiores a 20 ng/ml e nos casos de doença mais delicada esses níveis costumam se situar acima de 20 ou 30 ng/ml.

 

 

Sob o ponto de vista prático, os especialistas costumam definir a gravidade de cada caso analisando conjuntamente essas variáveis e aplicando uma classificação produzida pelo Dr Anthony D’Amico, da Universidade de Harvard (nessa tabela, “Risco” refere-se à gravidade da doença).

 

 

 

Estratégia de Tratamento do Câncer da Próstata

A evolução dos pacientes com câncer da próstata é relativamente imprevisível, mas no cotidiano a maioria dos pacientes apresenta-se com doença de pequena ou média agressividade, felizmente, potencialmente curáveis. Nesse sentido, pesquisa publicada pelo National Cancer Institute, dos Estados Unidos, concluiu que entre os casos de câncer da próstata descobertos em exames preventivos, 15% são portadores do tipo indolente; 60% têm doença agressiva, mas curável se tratada a tempo; e 25% apresentam lesões avançadas, de cura mais difícil quando se utiliza somente método único de tratamento.

 

 

Os tumores classificados como indolentes ou baixo risco, crescem muito lentamente e, por isto, muitos centros urológicos passaram a preconizar o não tratamento desses pacientes, pelo pequeno risco de morte pela doença. Nesses casos são realizados exames periódicos (“vigilância ativa”) e a orientação é mantida enquanto os exames se mantiverem estáveis.  Embora atraente, por evitar as complicações relacionadas com o tratamento do câncer, essa estratégia tem três inconvenientes. Quando acompanhados por 10 anos, o tratamento torna-se necessário em 50% dos casos, por sinais de piora da doença. Existe, também, de 10 a 12% de risco de agravamento imperceptível do câncer, com consequências negativas óbvias quando a situação é detectada. Não menos importante, a maioria dos pacientes vive em estado de apreensão, por carregar em seu organismo uma doença maligna não tratada.

 

Doença Contida Dentro da Próstata

 

Os pacientes com tumores mais agressivos localizados dentro da glândula são usualmente submetidos à cirurgia (prostatectomia radical) ou à radioterapia (externa ou braquiterapia). Apesar da polêmica entre os especialistas envolvendo a eficiência dessas duas técnicas, os dados mais recentes indicam que a cirurgia acompanha-se de maiores chances de cura nesses casos. Dois estudos a respeito publicados em 2010 pelos Dr. Michael Zelefsky, do Memorial Sloan Cancer Center de Nova York e pelo Dr. Matthew Cooperberg, da Universidade da Califórnia, demonstraram que o risco de morte por câncer foi de 2,2 a 3 vezes maior em pacientes tratados com radioterapia, comparado aos tratados com cirurgia.

 

Um dos motivos para explicar tal diferença é que se o tumor estende-se para fora da próstata ou reincide após a cirurgia inicial, pode-se recorrer com sucesso à radioterapia subsequente, que consolida a cura num número substancial de casos.

 

 

Já nos casos de falha após tratamento inicial com radioterapia, as perspectivas para os pacientes tornam-se mais sombrias, já que a remoção cirúrgica subsequente da próstata é sempre complicada e, muitas vezes, impossível. Isso explica porque nos casos mais simples ambos os métodos curam número semelhante de pacientes, mas nos pacientes com doença mais agressiva os índices da cura com a cirurgia superam de forma significativa aqueles observados com a radioterapia.

 

Além do sofrimento imposto pela sensação de finitude da vida, outras angústias assolam o espírito dos homens atingidos pelo câncer da próstata. A prostatectomia radical é acompanhada de impotência sexual em 70% dos indivíduos com 70 anos, em 35% dos pacientes com 65 anos e em 10% dos homens com 50 anos. Ademais, incontinência urinária surge em 3 a 15% dos casos, dependendo da experiência do cirurgião e da idade do paciente. A radioterapia associa-se a iguais riscos de disfunção sexual e pode causar complicações intestinais e de bexiga em 15 a 35% dos casos tratados, algumas vezes mais devastadoras que o próprio câncer.

 

 

Reconhecendo os inconvenientes dos atuais métodos de cirurgia e de radioterapia, pesquisadores lançaram-se a procura de procedimentos alternativos para dominar a o câncer da próstata. Multiplicaram-se na prática médica um sem número de técnicas, entre as quais a crioterapia, a aplicação de ondas de ultrassom (HIFU), a administração local de laser e o uso de diferentes vacinas antitumorais. Idealizados como métodos mais inócuos, esses procedimentos não tiveram sua eficiência comprovada de forma clara e, contrariamente ao esperado, podem se acompanhar de complicações sérias.

 

Por isso, devem ser considerados experimentais e desta forma apresentados eticamente aos pacientes.  Infelizmente, esse cuidado não tem sido seguido e alguns profissionais têm utilizado essas modalidades de tratamento, aproveitando-se da fragilidade e dos assombros que permeiam a mente dos pacientes atingidos pelo câncer da próstata. Confirmando os sentimentos expressos pelo Dr. Willet Withmore, de Nova York, há cerca de 30 anos: “O tratamento atual do câncer da próstata pode não ser a melhor medicina, mas certamente pode se tornar um bom negócio” e, também, “Existem mais pessoas querendo ganhar dinheiro com o câncer da próstata do que morrendo pela doença”.

 

 

LEIA MAIS:

 

= Câncer de próstata em 2016 - parte III

= Câncer de próstata em 2016 - parte I

 

 

 

 

 

Please reload

CAPA - REVISTA MAIL3.jpg
Posts em destaque

Traumatologia - Artrose: O que é, Sintomas, Causas e Tratamento

30/11/2017

1/10
Please reload

Arquivo
Please reload

Siga nossa fanpage
  • Grey Facebook Icon

CLIQUE AQUI 

e faça o download da versão online da Revista São Pietro News!